Maço 9

Description level
Instalation unit Instalation unit
Reference code
PT/TT/TSO/0009
Title type
Formal
Date range
1576 Date is certain to 1815 Date is certain
Dimension and support
111 doc. (392 f., 8 f. em branco); papel
Custodial history
A documentação deste maço apresenta-se separada em capilhas que podem conter documentos simples, ou documentos compostos ou macetes, como resultado de procedimentos seguidos ao longo do tempo.

Em 2009, perante a desorganização encontrada dentro desta unidade de instalação, os documentos foram separados e acondicionados em capilhas, tendo sido numeradas sequencialmente, tal como o foram os respectivos conteúdos (desde que apresentassem dois ou mais fólios escritos e estivessem desprovidos de foliação original), de modo a possibilitar o mínimo de controlo físico.

Contém documentos truncados.

Trabalho desenvolvido por Anabela Antunes (Torre do Tombo) e descrição elaborada por Maria Filomena de Sequeira Carvalho (Torre do Tombo).
Scope and content
Contém o traslado de uma carta que se achou em Roma escrita pela mão de Nosso Senhor Jesus Cristo (1714), correspondência de Cristóvão Mouzinho Castelo Branco, de José da Costa para seu tio (inclui duas cópias do traslado da carta escrita por mão de Nosso Senhor Jesus Cristo), informações sobre denúncia de adivinhação (em Santarém).

Contém também correspondência remetida do Estado [da Índia] aludindo à morte, a bordo, do inquisidor Francisco de Borges de Sousa, tendo sido o seu corpo lançado ao mar.

Reúne ainda, correspondência recebida das inquisições espanholas: Llerena, Córdova, Sevilha, Valladolid, Toledo, Navarra, bem como de João Pinto Ferreira para Manuel Correia da Fonseca, da Inquisição de Coimbra com lista de culpados, trocada com o Brasil, e também para Cipriano José de Amorim, e para o bispo de Miranda.

Inclui a minuta da ratificação na forma e estilo do Santo Ofício, procurações, cópia da nomeação do arcebispo de Lisboa, Sebastião César de Meneses como Inquisidor geral, apontamentos sobre a "Verdade Católica" relativa ao matrimónio.

Integra a redução do alemão Charles Niffle, no Pará (Brasil), "Encómio" e epigramas dedicados a Bernardo da Silva, da Congregação do Oratório, em Pernambuco, e composições poéticas constituídas por seis quadras e refrão (assinadas por José Barbosa de Vasconcelos).

Contempla uma declaração com a lista de artigos - resmas de papel, goma arábia, tabaco, meias de seda, entre outros - que leva João de Carvalho, da cidade de Lisboa, para a de Coimbra.

Compreende documentação relativa ao Juízo do Fisco de Lisboa: declaração de Almeida Lobo do recebimento de uns autos de apelação cível.

Reúne documentos do Conselho Geral: correspondência remetida da Inquisição de Évora acerca das luminárias por ocasião do casamento do Infante D. João com a Infanta D. Carlota, correspondência dos bispos de Elvas, Leiria, Lamego, Algarve, entre outros, também sobre o perdão geral, catálogo dos livros pertencentes a Pedro & Jorge [?] que se encontram na Alfândega.

Contém emendas do revedor frei Gabriel da Silva, do Convento de São Domingos de Lisboa, acerca dos prognósticos da autoria de Paulo Martins da Costa, e de António de Alvito, bem como a licença dada pelo doutor frei Adrião Pedro, do Convento da Santíssima Trindade de Lisboa.

Inclui listas de nomes para Lisboa, Coimbra, Évora, Brasil, enviadas pelo secretário do Conselho Geral ao padre Tomás Pereira, e um formulário impresso de provisão de Inácio Primeiro, Patriarca de Lisboa (não preenchido).

Inclui diversa documentação da Inquisição de Coimbra: correspondência (de D. João Maldonado Azevedo, em Coimbra, de João Soares de Vasconcelos), sobre nomeação de oficiais para o Fisco, da Inquisição de Madrid (Espanha), de Pedro Luís de Sousa sobre denúncia, de Diogo Álvares [Moura], e certidão do presbítero beneficiado na Sé de Viseu e notário apostólico, procuração, certidão do tesoureiro Marcos de Deus, relatório de contas tomadas ao notário José Baptista, parecer de frei Alexandre sobre um sermão e censuras, aludindo a Judas, um dos doze Apóstolos de Jesus Cristo, e apontamentos sobre a definição de direito público do reino de Portugal.

Contém a cópia de uma carta de Jerónimo Soares, inquisidor geral, de Évora, parecer sobre um livro, dado por frei Valério de Moura, do Colégio de São Tomás.

Inclui um caderno manuscrito sobre o estudo da metafísica, provavelmente, pertencente a Francisco José Lopo de Castro, apontamento sobre a pertença de um pires de prata e dívida, rol e lembrança de artigos - moedas de ouro, lenços de linho finos, colchão, entre outros - entregues a Manuel Mascarenhas por parte de seu pai, folha da tulha, rol dos familiares da vila de Arruda e seu termo, declaração de dívida, e ainda, rol dos livros de Martim Vaz, morador na freguesia de São Martinho de Mouros, bispado de Lamego, dos livros de António Pinto, de Sedim, e dos livros que vão para o Brasil para o doutor João de Oliveira Magalhães.

Integra a lista de todas as pessoas presas cujos processos vão correndo, um calendário dos dias feriados, certidões do padre Francisco Xavier de Sá Morais das pessoas que notificou na cidade de Bragança, e do padre Francisco Xavier da Silva.

Reúne a lista de pessoas apresentadas, nomeadamente das localidades de Vimioso, Miranda, Carção, Sendim, Vilarinho, Mogadouro, Urrós, entre outros.

Inclui correspondência e comissão da justiça contra o padre frei Francisco de Vasconcelos, requerimentos do padre João de Araújo e Azevedo, abade da igreja de São Pedro de Esgueiros, arcebispado de Braga, e comissário do Santo Ofício a solicitar a inquirição das testemunhas contra Baptista de Lima, seu pai e irmãos.

Contém uma parte de um auto, com o depoimento do preso Gabriel Cardoso, cristão-novo, de Bragança (1595), interrogatórios relativos a Soror Deodata do Coração de Jesus, processo do padre Manuel Fernandes Gomes, cristão-velho, abjuração da ré Filipa Rodrigues, cristã-nova, mandada soltar em virtude do perdão geral, e carta de Mariana de Alvim para seu marido Luís.

Contém o traslado do sumário de culpas (vindo de Évora) de solicitação de frei José Jesus Maria, religioso professo da Ordem de São Francisco da Província dos Algarves, natural da Vila de Setúbal, e morador no Convento de Alcochete, o relatório do processo de Joana Rodrigues, cristã-nova, de 29 anos de idade, tendeira, natural da cidade de Bragança, moradora na Vila de Vinhais, bispado de Miranda, casada com Manuel Rodrigues, presa em 1710.

Contempla escritos de memórias de experiências ou vivências religiosas, eventualmente, de uma autora (1742).

Integra documentos de receita e despesa, nomeadamente de Goa (Índia), sobre o donativo a dar - dinheiro do Fisco - para a fortificação de uma cidade.

Reúne contas do Secreto, rol das obras do estanco, pauta das aves (receita) de Coimbra.

Contempla documentação relativa à Inquisição de Évora: correspondência (remetida da Inquisição espanhola, também de Francisco José Vidigal Salgado com a receita inserta para curar doença, ditada pelo soldado José de Sousa), parecer dos inquisidores e despacho dado em Lisboa, requerimento, lista de deputados desde 1761 até 1783, bem como o inventário e avaliação dos bens móveis - mobiliário, roupa de cama, quadros, entre outros - de Catarina [?], presa, correspondência e certidão do inventário passada por Francisco Álvares Pimentel, escrivão e chanceler do Fisco da cidade de Évora.

Physical location
Tribunal do Santo Ofício, mç. 9
Previous location
Documentos por identificar
Language of the material
Português, latim e espanhol
Type of container
Outro
Notes
Nota ao elemento de informação "Âmbito e conteúdo": Transcrição do documento 1:

"Traslado de uma carta que se achou em Roma escrita por mão de Nosso Senhor Jesus Cristo em um seu servo chamado Nicolau Vicente, estando dizendo Missa, e se deu a um servo que vivia uma légua distante de Roma, em uma ermida muito virtuosamente, e mandou o Pontífice pedisse a Deus lhe desse a entender o que se contém em ela; e revelou o seguinte:

Filhos meus muito amados, e redimidos com o meu Sangue em a árvore da Cruz por livrar-vos de vossos pecados, como estais tão esquecidos do que por vós outros padeci. Como se vos não houvera redimido com o meu precioso Sangue. Sabeis que me tendes tão gravado que senão fora pelos martírios de minha Paixão; e rogos da minha Bendita Mãe advogada vossa, e todos os santos já vos houvera destruídos por maldades, e culpas. Eu vos prometo que se não vos emendares, e guardares os Domingos, e festas de guarda, que manda a Santa Madre Igreja, ouvindo Missa, não trabalhando [desde] o Sábado até o Domingo, que anunciou o Anjo a Maria Mãe. Hei-de enviar perros [cães] raivosos, que vos destruam; e dar pragas, fomes, e sedes sobre vos outros e vossos filhos, e não gozareis coisa criada, e mando que na primeira Quaresma visto esta minha carta, jejueis, e façais penitência e façais bem pelas benditas almas do Purgatório, cada um pelas que tem obrigação; que vos deixaram as fazendas, que administrais, e vós outros não vos acordais delas, e que façais bem aos pobres, dando-lhes o que puderes de vossos bens em meu nome, que se fizeres como eu vos mando havereis bens de bênção, e vos prometo ter misericórdia de vos outros e mando não jureis o meu Santo Nome em vão; nem pelo Sinal da Santa Cruz; não tenhais ódio uns aos outros, que se o fizeres assim como vos mando, havereis bens com abundância corporais e espirituais, e vos prometo o Céu e a terra. Ai daqueles que o não cumprirem com suas obrigações, cada um conforme sua obrigação. E [vos] prometo pelo poder de meu Eterno Pai, que se vos não emendares, e fizeres o que vos mando hei-de mandar se abra a terra, e vos sepulte, e digo que minha Bendita Mãe, e Santa Catarina, e Santa Teresa e São Francisco e [S. Deus], e os Santos Anjos da Guarda não hão-de advogar por vós, e com esta aviso a qualquer pessoa de qualquer qualidade que seja, se disser que esta Carta original está escrita por mãos de homens, e não de minha mão mesmo, sejam malditos do Céu e da terra, e se hão-de ver desfeitos como o sal em a água, e toda a sua casa, e qualquer pessoa, que esta, ou seu traslado levar de um lugar a outro, ou fizer levar, lhe abrirei minha glória e lhe serão perdoados seus pecados, e a pessoa que a trasladar será bendita e toda a sua casa, e no dia do Juízo não farei caso de suas culpas, e qualquer pessoa, que esta ler, ou fizer ler, alcançará minha bênção; e qualquer pessoa que de seus bens der pouca ou muita quantidade, porque se lhe traslade esta será bem -aventurada ela e toda sua casa, e no dia do Juízo estará à minha Mão Direita, e não verá meu Rosto irado, nem as penas do Inferno, e a pessoa que esta tiver consigo com devoção, e a fizer notória e publicar, não será maldito dos Céus, nem da terra, e por sinal desta, dia dos Inocentes verão correr o Sol de maneira que se admirarão os homens em o dia primeiro de Agosto, vista esta se vos não emendares, vos porei de maneira, que vos não conheçais uns aos outros, nem pais a filhos, nem filhos a pais, que tereis grandes tormentos e não tereis desculpa que dar quando eu vos pedir conta de vossas vidas já tendo avisado com este rigor. Dai graças a Deus, e a Maria Bendita minha Mãe, e a Santa Catarina e a Santa Teresa, e a São Francisco, e a [S. Deus], que estão aplacando minha ira, que sempre vos tenho ameaçado, perdoarei aqueles que com devoção trouxerem esta Carta consigo, ou seu traslado, e em sua casa sendo livres de morte súbita, e serão pacíficos com os Anjos de suas guardas, que estão rogando por vós outros, como advogados vossos. Dada em Roma, em os 20 de Novembro de 1714".
Creation date
17/12/2009 00:00:00
Last modification
09/06/2017 15:56:29